PADRÕES DE EXCELÊNCIA E EQUILÍBRIO ATITUDINAL

A busca por elevados padrões de excelência ou perfeição é natural nas organizações. Elas se desenvolvem, evoluem e crescem. E almejam se destacar e vencer numa ambiente cada vez mais competitivo.

Aretê, palavra grega que significa excelência e virtude, teria aparecido pela primeira vez há mais de 2.800 anos, no poema clássico Ilíada e Odisséia de Homero. Conceito do homem completo! Aquele capaz de desenvolver no mais alto grau qualidades superiores do ser: no nível, físico, emocional, mental e espiritual. O prazer proporcionado pela excelência se conecta a almejada felicidade.

Talentos: tornou-se um termo-chave no glossário de gestão de RH. A sociedade e as organizações cobram padrões de excelência das pessoas. E as pessoas cobram de si mesmas e idealizam: seja para atender a um padrão interior que estabeleceu para si, seja para atender padrões externos que outros lhe cobram. A pessoa busca nesse processo a segurança psicológica e o reconhecimento. Porém, é muito comum que esse esforço pessoal gere culpas e frustrações. Conforme a intensidade pode causar sérios desequilíbrios na vida das pessoas, organizações e sociedade. É fato histórico, que em tempos de grave crise econômica (1929 e 2008, são exemplos) aumenta significativamente o índice de suicídios: a autopunição de pessoas que se sentem fracassadas.

Mas qual o caminho da excelência? Para Aristóteles ela se relaciona com as emoções e ações, onde há três dosagens padrão: demais, muito pouco e meio termo. O meio termo é a virtude de permanecer na exata medida, o afastamento de todo e qualquer excesso: a moderação, a mais importante dentre as virtudes, segundo o notável filósofo. Ou seja: a essência do comportamento virtuoso é o equilíbrio.

Nessa trilha está a metodologia Kaizen Zero -K0 (1), de desenvolvimento da consciência e melhoria contínua de qualidade, que identifica também três padrões comportamentais:

 1.     Egocentrismo disfarçado de empatia (falso empático): pensa mais em si, e agrada o outro apenas para obter o que deseja, além de reconhecimento.

2.     Egocentrismo assumido e agressivo: não esconde que sempre pensa mais nos próprios interesses do que nos interesses alheios;

3.     Negociação: busca, de forma mais transparente e sincera, o atendimento tanto dos próprios interesses como dos interesses do outro. Há um saudável equilíbrio atitudinal.

Como obter os melhores padrões de excelência ajudando as pessoas a desenvolverem o equilibro atitudinal da negociação consigo mesmo e com os outros? Como edificar uma cultura em que sinceridade, autenticidade, honestidade e verdade sejam valores abraçados e praticados? Esta é uma Tarefa urgente para as organizações, o que exige coragem. Vale lembrar as raízes de coragem. Do francês courage e do latim coraticum, significa “disposição nobre e ação do coração”! (2)

AUTORIA: Antonio Carlos A. Telles – Consultor da WCCA. | COLABORAÇÃO: Guilherme Carvalho – Gerente de Relacionamento e Negócios da WCCA.

(1)  Apostila Kaizen Zero | (2)   Houaiss

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Você também pode se interessar por:

O TRABALHO REMOTO: NOVO DESAFIO IMPOSTO PELO CORONAVIRUS

“Coronovirus Makes Work From Home The New Normal” é o título de artigo especial publicado pela SHRM –Society of Human Resources Management (21/3/2020). O Trabalho Remoto é um cenário que aceleradamente se impõe em todo o mundo à medida que o número de casos de coronavírus aumenta. Cada vez mais empregadores se comprometem com as

Leia mais >

COVID 19: REFLEXOS LEGAIS NAS RELAÇÕES DE TRABALHO

As organizações tem o desafio e responsabilidade de agilizar mudanças para se adaptarem ao novo cenário gerado por uma pandemia que impacta a vida humana, social e corporativa em todo o planeta. Como conciliar a necessidade de resultado econômico com a proteção da vida humana? É um cenário sem precedentes exigindo sabedoria, sensibilidade, coragem e

Leia mais >

ATENÇÃO RH! NÃO PERCA! É IMPORTANTE!
In Company

CURSO DE FORMAÇÃO SINDICAL PARA GESTORES DE FÁBRICA E DA ÁREA DE RH

A gestão moderna de uma empresa, exige que os gestores e colaboradores da área de RH, utilizem ferramentas adequadas para a administração da gestão sindical no âmbito da empresa e nas relações com o Sindicado.

Objetivos

  • Preparar os gestores para administrarem diariamente as Relações Sindicais e Trabalhistas produzidas por Cipeiros, Dirigentes Sindicais e estáveis.
  • Desenvolver “lideranças”, posicionando-as como administradoras do capital e do trabalho, administrando as insatisfações e os líderes naturais.
  • Capacitar os gestores para o preenchimento dos “espaços vazios” que possam ser explorados pela ação sindical interna.
  • Aumentar a percepção dos Gestores como base para a prevenção de greves.
  • Conscientizar os participantes da vital importância da preparação organizacional para enfrentar as demandas sindicais.
  • Transmitir aos participantes as situações reais vividas pela WCCA em greves e negociações com Sindicatos em diversas empresas, através de conteúdos eminentemente práticos e atuais.

Cadastre-se para receber mais informações: