GENTIL PRIMEIRO, CERTO DEPOIS!

Dalai Lama

“Be kind first, be right later” (1) : bem interessante essa reflexão, no início de 2020, do vice-presidente da SAS América Latina , Marvio Portela, líder que também atuou na Xerox, Oracle e IBM. “Seja gentil primeiro, esteja certo depois”: o tema é muito oportuno nesses tempos sombrios. Ameaças de novas guerras entre nações, guerrinhas e tensões crescentes entre pessoas, que transformaram amizades em inimizades, e comportamentos agressivos impróprios num mundo supostamente civilizado.

Houaiss confirma: civilizado é “aquele que se mostra bem-educado, cortês…” É curioso (e pode parecer paradoxal para muitos) que a etimologia de gentil (do latim gentilis) seja “da mesma família ou raça, do mesmo povo ou nação”. Quais os sentidos de família? “Núcleo social de pessoas unidas por laços afetivos, que compartilham o mesmo espaço e mantêm entre si uma relação solidária e estável; grupo de pessoas unidas por mesmas convicções ou interesses”.

Marvio sublinha a enorme importância da gentileza nas organizações.

“Como parte do debate em andamento sobre inovação e novas maneiras de fazer as coisas, um dos desenvolvimentos que mais me empolga ao entrarmos em uma nova década é a mudança dos sistemas de trabalho tradicionais em direção a uma mentalidade baseada na gentileza. No mundo da tecnologia, ouvimos muito a palavra “ECOsystem” – que descreve uma configuração que engloba valores e interdependência compartilhados. Essa maneira de trabalhar visa substituir o “EGOsystem”: a insistência no status quo, a necessidade de auto engrandecimento e estar certo o tempo todo.

Quando entramos em uma nova década em que a colaboração será a tônica de todos os negócios de sucesso, essa maneira estabelecida de trabalhar dará lugar a uma cultura em que as equipes que vencerão serão aquelas em que as pessoas são gentis umas com as outras.
Embora nossos egos possam ser informados pela necessidade de estar certo e impor nossos pensamentos e crenças – para que sejamos respeitados e creditados por nossas realizações -, precisamos aceitar que podemos (e vamos) estar errados, mas sem nenhum senso de falha ou constrangimento. Essa aceitação, essa vulnerabilidade, é um elemento central de ser gentil.”

A reflexão de Marvio é valiosa, naturalmente, para todas as nossas relações, dentro e fora do trabalho. Negociação é uma competência que nos desafia a cada instante da vida. Um livro japonês lembra que argumentar para vencer pode significar quebrar a realidade da pessoa contra a qual “lutamos”. Se perder a realidade pode ser doloroso a recomendação é: “mesmo que você esteja certo, seja gentil!”

AUTOR: Antonio Carlos A. Telles – Consultor em Desenvolvimento de Pessoas, Estratégia e Ética & Compliance (WCCA e LRN)

COLABORAÇÃO: Guilherme Carvalho-Gerente de Negócios e Relacionamento da WCCA

(1) https://www.linkedin.com/pulse/kind-first-right-later-marvio-portela/

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Você também pode se interessar por:

Uncategorized

CHAMAR OU PRESTAR ATENÇÃO: O QUE FAZ A DIFERENÇA?

As novas tecnologias e redes sociais estimulam o desejo de ser visto e notado.Sergio Chaia, que foi CEO da Nextel e da Sodexo Pass, contou no Valor Econômico como um grande amigo foi influenciado, de forma marcante, por certo artista de cinema que se destacou em filmes como “A Origem” e “Batman: O Cavaleiro das

Leia mais >
Uncategorized

PARTICIPAÇÃO EM LUCROS E PRÊMIOS: O QUE MUDOU NA LEI?

A Medida Provisória 905 (12/11/2019) que alterou a legislação trabalhista, introduziu mudanças relevantes nas regras de Participação nos Lucros e Resultados (PLR) e Pagamento de Prêmios. Os gestores e especialistas em RH precisam ficar atentos sobre os impactos nos processos de recursos humanos. PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E RESULTADOS (PLR) O artigo 48 da MP 905

Leia mais >
Uncategorized

DESEMPENHO HUMANO: GESTÃO PÚBLICA BUSCA INSPIRAÇÃO NA GESTÃO PRIVADA

Mudanças no modelo de avaliação do funcionário público, pretendidas pelo Ministério da Economia (1), permitiriam que o mau desempenho gere demissão. A apreciação apaixonada do tema pode levar a aplausos ou vaias impróprios. Uma reflexão mais madura talvez nos remeta a indagação mais ampla: o quanto a Gestão Pública pode se beneficiar da adoção de

Leia mais >