REGULAMENTO INTERNO EMPRESARIAL E A GESTÃO DE PESSOAS.

Como sua empresa está se ajustando à essa diretriz da reforma trabalhista?

No Louvre, maior museu do mundo, há um grande bloco de pedra com mais de 2 metros de altura, esculpido com 282 artigos de lei. Tem mais de 3.500 anos. É o Código Hamurabi, tido como primeiro código de conduta da humanidade: nele estão as raízes do direito e da primeira legislação, na civilização babilônica.

Há milênios sonha-se em encontrar um jeito de melhor organizar as pessoas através de regras que ajudem na solução de conflitos.  Conciliar o justo e o humano é o grande desafio que as empresas enfrentam como principal agente de desenvolvimento econômico e social no mundo moderno. O ser humano passa a maior parte do tempo de sua vida no mundo do trabalho: cresce significativamente o nível de exigência em relação a responsabilidade corporativa e a responsabilidade individual.

Nesse sentido, a reforma trabalhista previu  a criação do REGULAMENTO INTERNO DA EMPRESA conforme consta na  Lei 13.467 /2017, artigo 611-A, inciso VI. Isso ganha importância dentro do espírito da nova lei em que o negociado prevalece sobre o legislado.

O regulamento interno torna-se ferramenta básica de compliance e de prevenção do passivo trabalhista, que no âmbito das maiores empresas soma bilhões de reais.

Visando clarificar obrigações e direitos compartilhados entre empresa e colaboradores, para a construção de um ambiente de trabalho produtivo e saudável, o Regulamento Interno cobre tópicos de Gestão de Pessoas tais como: Admissão, Desligamento, Horário de Trabalho e Controle de Presença, Férias e Licenças, Remuneração e Pagamento, Uso de Recursos Eletrônicos (e-mails, internet, redes sociais, etc.) e Equipamentos, Mobilidade no Local de Trabalho e Transferências, Visitas, Vestimentas, Informações Confidenciais, Saúde, Segurança e Meio Ambiente, Responsabilidades dos Colaboradores, Relações Interpessoais (Chefes, Colegas, Subordinados), Medidas Disciplinares por Violação do Regulamento e Canais de Comunicação.

É desejável que o “Regulamento Interno” complemente o “Código de Conduta Ética Corporativo”. Muitas vezes, esses dois instrumentos são tratados de forma separada, porém devem ser concebidos e implementados dentro de uma visão integrada, porque tem propósitos comuns. Recomenda-se a formação de grupos multifuncionais com representantes das áreas de Relações Trabalhistas, Jurídico, Compliance, RH, Comunicação, etc. O cuidado com a implementação e a gestão do regulamento e do código, no dia a dia, é muito mais importante do que sua mera criação.  Qual o papel das lideranças formais e informais e como prepara-las? Que aspectos da cultura organizacional precisam ser trabalhados visando o comprometimento de todos?

O seguro e equilibrado gerenciamento do regulamento empresarial contribuirá para preservar a imagem do funcionário e da organização. Uma das maiores empresas brasileiras pagará R$ 400 milhões por dano moral coletivo, mas, nos tempos atuais, a credibilidade vai muito além de indicadores monetários. Como afirmou Warren Buffet, megainvestidor e o terceiro homem mais rico do mundo, ao Wall Street Journal: “nós podemos arcar com a perda do dinheiro, mesmo muito dinheiro. Porém, nós não podemos arcar com a perda da reputação, mesmo que um pequeno fragmento de reputação.”

*Colaboração de Antonio Carlos A. Telles, consultor da WCCA.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Você também pode se interessar por:

GESTOR, CONHECE-TE A TI MESMO!

Assédio, Reputação e Autoconhecimento na Sociedade Digital Onde está a causa-raiz do assédio moral nas organizações? Na qualidade e grau de maturidade das relações interpessoais entre a gerência (topo, média e da base) e os colaboradores? Em grande medida, sim. É preciso mensurar, e agir para prevenir e corrigir. Esse é um desafio cada vez

Leia mais >

GESTÃO DE BASE: NÃO HÁ RESULTADO SEM QUALIFICAÇÃO.

A realidade prática das indústrias ocorre no chão de fábrica. É aqui que se concentra o maior número de colaboradores e o foco de melhoria da empresa. Os gestores de base são aquelas pessoas que na indústria atuam nesta realidade do chão de fábrica, muitas vezes, gerenciando equipes grandes, com 50, 100, 200 colaboradores. É

Leia mais >