“A COMUNICAÇÃO NÃO VIOLENTA NAS ORGANIZAÇÕES”

A crescente pressão por resultados tem aumentado de forma significativa os casos de assédio moral nos ambientes de trabalho.

Observa-se um ciclo vicioso dentro das empresas: o gestor sente-se pressionado e não consegue lidar emocionalmente com a pressão. Como todos sabem nosso emocional é transbordado através da comunicação, que é frequentemente inadequada entre os gestores e os colaboradores, que por sua vez também se comunicam de forma inadequada com seus colegas. E com a repetição deste processo no cotidiano corporativo está formado o ciclo da violência nos ambientes de trabalho. Aquela violência velada mina as relações de forma também velada e, consequentemente, os bons resultados.

O conflito sempre vai existir, não só nos ambientes de trabalho, como em todos os ambientes da nossa vida. Afinal, o conflito é necessário para o crescimento das organizações e o nosso crescimento pessoal? Ou o mais importante é a maneira como o conflito é conduzido? O que questiono é porque em plena era da comunicação, as pessoas continuam se comunicando de forma tão inconveniente.

Em que medida as organizações estão preparadas para lidar com essas pressões e conflitos na sociedade digital em que vivemos?

 Redes sociais, aplicativos e e-mails, ferramentas que poderiam melhorar o trânsito das informações, muitas vezes acabam por piorar a comunicação interpessoal, e até se tornam campos de batalha de pessoas que comunicam suas necessidades e opiniões de maneira inapropriada, dentro e fora das organizações.

Tudo que foi falado até aqui em relação a comunicação revela riscos da deterioração do clima organizacional. E para superar este desafio Marshall B. Rosemberg criou o conceito de “comunicação não violenta”. Ele definiu uma metodologia para reavaliarmos nossa comunicação, e percebermos o quanto uma comunicação impropria pode proporcionar rompimentos entre as pessoas, e o quanto uma comunicação adequada, desenvolvida de forma simples, pode proporcionar ambientes de compreensão e aliança entre as pessoas. O quanto precisamos dessa aliança nas organizações, principalmente nos momentos de crise?

A “comunicação não violenta” é uma grande aliada como ferramenta de apoio para os gestores na condução do dia a dia de trabalho, onde se possa construir relacionamentos, resultados e até metas mais saudáveis, evitando assim, inúmeros conflitos mal resolvidos. A metodologia da “comunicação não violenta” vem ensinar, de maneira detalhada e eficiente, como construir alianças respeitosas dentro das equipes de trabalho.

*Colaboração da Sônia Cerqueira, Consultora da WCCA.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Você também pode se interessar por:

GESTOR, CONHECE-TE A TI MESMO!

Assédio, Reputação e Autoconhecimento na Sociedade Digital Onde está a causa-raiz do assédio moral nas organizações? Na qualidade e grau de maturidade das relações interpessoais entre a gerência (topo, média e da base) e os colaboradores? Em grande medida, sim. É preciso mensurar, e agir para prevenir e corrigir. Esse é um desafio cada vez

Leia mais >

GESTÃO DE BASE: NÃO HÁ RESULTADO SEM QUALIFICAÇÃO.

A realidade prática das indústrias ocorre no chão de fábrica. É aqui que se concentra o maior número de colaboradores e o foco de melhoria da empresa. Os gestores de base são aquelas pessoas que na indústria atuam nesta realidade do chão de fábrica, muitas vezes, gerenciando equipes grandes, com 50, 100, 200 colaboradores. É

Leia mais >